ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE FISCALIZAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

"Pensar Global, Agir Local."

Conheça nossa proposta

Missão

Filiar e representar os servidores das carreiras de fiscalização com poder de polícia administrativa e judiciária na circunregião do Estado de São Paulo, além de lutar pela reestruturação e valorização.

Visão

Ser reconhecida como entidade-referência na representatividade das carreiras de fiscalização na região geográfica do Estado de São Paulo através da constante luta pela valorização.

Valores

Transparência, ética, respeito e dinâmismo. São os valores que norteiam a ação da APROFISC-SP em caráter incondicional e trabalharemos para sempre permanecer com estes valores.

Nossa História

Fundada no início de 2012, a Associação dos Profissionais de Fiscalização do Estado de São Paulo (APROFISC-SP) nasceu pela necessidade de modernizar algumas carreiras fiscalizatórias que estão abandonadas há décadas na região geográfica do Estado de São Paulo.

Integrantes das carreiras mais estigmatizadas da Prefeitura de São Paulo – Agentes Vistores e Agentes de Apoio Fiscal – uniram-se para elaborar um projeto que propõe modificações nos procedimentos administrativos e no sistema organizacional fiscalizatório vigente, com o intuito de reduzir drasticamente irregularidades que assolam a Capital: obras clandestinas, estabelecimentos sem licença de funcionamento, inadimplência e corrupção.

SAIBA MAIS +
Diretoria da APROFISC no café Kopenhagen defronte a Prefeitura do Município de São Paulo
Alexandre Silva Rodrigues - Presidente
assignment_ind alexandre@aprofisc.org
- Agente Vistor da Subprefeitura da Vila Prudente/Sapopemba
- Bacharel em Administração de Empresas (USF-SP)
- Mestre em Gestão Estratégica (FECAP)
- Licenciatura Plena em Matemática (UniSant’Anna)
- Professor de Graduação e Pós-Graduação no MBA da FIG-Unimesp e na UNG (Guarulhos).
Daisy Sobral Pinto - Secretária-Geral
book daisy@aprofisc.org
- Agente de Apoio Fiscal aposentada
- Bacharel em Direito (Brás Cubas)
- Uma vida de intensa luta pela defesa dos interesses da fiscalização.
Maria Aparecida da Silva - Secretária-Adjunta
book cida@aprofisc.org
- Agente Vistora aposentada
- Bacharel em Administração de Empresas (UMC)
- Participou das principais batalhas pela valorização da fiscalização.
- Pós-Graduação em Administração de Empresas (São Judas)
Henry Chisca - 1º Tesoureiro
monetization_on henry@aprofisc.org
- Chefe da Fiscalização da Subprefeitura do Jaçanã/Tremembé
- Química Industrial (Oswaldo Cruz)
- Bacharel em Ciências com Habilitação em Química (UNG)
- Licenciatura Plena em Química (UNG)
Roberto Rosati - 2º Tesoureiro
monetization_on rosati@aprofisc.org
- Bacharel em Ciências Contábeis (FIG – Unimesp)
- Pós-Graduação em Direito Tributário (Univ. Candido Mendes)
- Conhecido e respeitado por atuar em defesa das categorias de fiscalização na Prefeitura de São Paulo.

INSTITUCIONAL

Fiscalização

Integrantes das carreiras mais estigmatizadas da Prefeitura de São Paulo – Agentes Vistores e Agentes de Apoio Fiscal – uniram-se para elaborar um projeto que propõe modificações nos procedimentos administrativos e no sistema organizacional fiscalizatório vigente, com o intuito de reduzir drasticamente irregularidades que assolam a Capital: obras clandestinas, estabelecimentos sem licença de funcionamento, inadimplência e corrupção.

Diversos integrantes das carreiras de fiscalização com poder de polícia administrativa (fiscais estaduais e municipais) e judiciária (policiais civis e promotores públicos) demonstravam interesse em fazer parte do quadro de associados, o que motivou uma construção estatutária mais abrangente, de forma a permitir que a APROFISC-SP se tornasse referência na defesa de interesses de diversas categorias simultaneamente.

Fiscalização

As pesquisas de campo realizadas para o embasamento do projeto revelaram alguns dados bastante relevantes:

1) O Município de São Paulo perde mais de 6 bilhões todo ano em decorrência da sonegação tributária, que é potencializada pelo atual sucateamento das carreiras de fiscalização de uso e ocupação do solo.

2) Os procedimentos administrativos, os sistemas de informações municipais e o marco regulatório que normatiza atividades e obras em São Paulo-Capital, são obsoletos e inadequados, o que resulta em proposital ineficiência e subserviência da fiscalização.

3) São Paulo é uma “cidade ilegal”, considerando que, aproximadamente, 65% dos estabelecimentos do Município não têm licença de funcionamento.

FAÇA CONTATO

LOCAL DE REUNIÕES

Trata-se de local seguro e privilegiado, onde podemos receber confortavelmente nossos associados, assim como as autoridades com as quais negociamos o futuro das categorias que representamos.